Mad Man e Eu – Capítulo 2

Na semana passada iniciamos uma série de 15 capítulos da história Mad Man e Eu contada sobre a perspectiva de um dos pioneiros da publicidade no Brasil, Hiram Silva Souza – Exclam. Caso tenha perdido o primeiro capítulo veja aqui antes de prosseguir.

Você vai voltar no tempo e sentir-se espectador real da história da vinda do criador do Homem de Marlboro ao Brasil.

Mad Man e Eu – Capítulo 2

Existia uma organização nos USA, chamada “Sise” que honestamente nunca me preocupei em saber exatamente o que SISE quer dizer. Mas ao que me consta é, ou era, uma organização sem fins lucrativos criada por algum órgão do Governo ou alguma fundação americana, com o objetivo de tirar do ócio excelentes profissionais compulsoriamente aposentados.  O fato é que o trabalho dessa organização era enviar para qualquer lugar do mundo, que esses executivos aposentados especialistas em suas áreas de atividade concordassem em ir. O contrato com o SISE, previa no máximo 90 dias desse executivo em sua empresa. Ele não poderia ganhar nada, além de moradia, alimentação e transporte. Na época, a Agência Exclam tinha como acionista a família Prosdócimo que trouxe diversos desses executivos para a sua rede de lojas de varejo, que, embora aposentados, ainda tinham muito gás para queimar e não queriam ficar jogando golfe e enchendo a cara diariamente nos seus clubes. Quase todos da Flórida.

É bom que se esclareça: o sonho do americano ao se aposentar é fugir do frio. Os ricos se aposentam e vão para a Califórnia, os menos ricos vão para a Flórida. Mas sempre para longe do frio. Digo isso por ter convivido com alguns deles aqui em Curitiba e lá na terra deles em diversas ocasiões.

Os americanos educados, tem muito cuidado com as amizades construídas após a maturidade ou velhice. Digo educados, porque as pessoas com quem normalmente convivemos, motoristas de taxi, garçons, profissionais diversos, pessoal de hotel, companhias aéreas, pessoas comuns que encontramos nas ruas, não são bem educadas. Talvez seja uma visão “pré conceituosa”, mas vivida. Honestamente só encontrei gente educada, culta, com bom padrão de educação formal depois que passei a conviver com profissionais formados –em áreas diversas– com um padrão econômico & financeiro já estabelecido ou com os pais de alunos da Stetson University onde meus filhos estudaram ou ainda com os professores deles.

Estiveram em Curitiba, profissionais da Bloomingdale’s, famosa loja de departamento de New York, das áreas de transporte (hoje logística), de compras, de marketing e de…PROPAGANDA

O Rody Jans, fundador e ex-presidente da Exclam, e eu solicitamos aos acionistas a possibilidade de trazer algum profissional para ficar direto na Exclam. Gente que entendesse de organização, princípios do negócio, como eram os procedimentos técnicos básicos das diversas áreas de uma agência. Afinal como diria o Jamil Snege no seu livro: “Como eu SE fiz por mim mesmo”. Nós na Exclam líamos muito, trazíamos profissionais de fora, sobretudo gaúchos e alguns paulistas. Mas o que a gente tinha mesmo era um baita tesão de fazer, sem saber de verdade como o negócio andava na matriz, no principal endereço do negócio da propaganda no mundo. Madison Avenue – New York – USA.

The end