Escolha o mundo em que você quer viver

Sustentabilidade.

Uma palavra que vem ganhando força ao longo dos últimos anos. Encontros entre as grandes potências para discutir sobre mudanças climáticas, uso inteligente dos recursos naturais e protocolos que nunca são assinados. Mas os encontros e a discussão sempre estão em pauta. A conclusão inicial é a de que precisamos de mais do que isso.

Recentemente tenho lido bastante a respeito da economia compartilhada, ou colaborativa, e tenho me encantado com o potencial e com a ideia deste conceito ainda relativamente novo, principalmente no que diz respeito ao consumo.

Por anos tivemos (conjugo na primeira pessoa do plural pois me incluo nessa também) um comportamento cuja finalidade era o consumo pelo consumo. O ter somente pelo prazer de ter, e não pela real necessidade ou pelo valor que aquilo possui ou nos traz. Um consumo objetivando a satisfação do eu, apenas. E ainda é assim, embora isto esteja mudando e ao meu ver, para melhor.

Ao ler sobre economia colaborativa notei um comportamento que vem fazendo parte dessa geração millenials, geração Y, ou YZ, no qual o consumo é baseado na experiência que aquilo propõe em primeiro lugar. Não é o ter, é o viver – usar e compartilhar.

Sabemos que os recursos naturais são finitos e que devemos, e mais do que isso, podemos, escolher em que mundo queremos viver. Atitudes individuais pensando no coletivo.

O empreendedor e blogueiro Daniel Larusso fez a pergunta mais adequada em seu post Sustentabilidade não é uma escolha: “até que ponto o mercado de insustentáveis e egológicos será viável?”

Deixo aqui um excelente texto que aborda o tema falando um pouco da postura de algumas empresas visando este novo conceito econômico.

E abaixo um vídeo com uma ótima mensagem: Lowsumerism.

 

 

E você, já pensou hoje em qual mundo você quer viver?

 

Balla

A criatividade se expressa de diversas maneiras, menos na minha bio.